4.3.14

Balbinus e Pupienus

BALBINUS
(Decimvs Caelivs Calvinvs Balbinvs)
Co/Imperador com Pupienus - 238 d.C.

Balbino


O Senado, apoiou o levantamento contra o governo tirânico do imperador Maximinus I, encabeçado por Gordianus I e II. Após a morte destes dois imperadores em África e, conhecendo as intenções de Maximinus I de marchar com um exército contra Roma, elegeu em 22 de Abril de 238 d.C. como co-imperador, Decimus Celius Calvinus Balbinus juntamente com Pupienus.

Balbinus era um patrício, senador em Roma e foi encarregado do controle da administração civil da capital do império, assim como o governo sobre o povo e a guarda pretoriana. Pupienus encarregou-se das forças armadas com o qual derrotou Maximinus I.

Com a derrota e a morte de Maximinus I (morto pelas suas próprias tropas) o poder dos dois imperadores senatoriais parecia assegurado. Por imposição popular, nomearam como sucessor do império, Gordianus III, filho e neto respectivamente de Gordianus II e Gordianus I que apenas contava com três anos de idade. `

Mas estes imperadores não estiveram muito tempo no poder, a guarda pretoriana, insatisfeita, invadiu o palácio e assassinou os dois noventa e nove dias depois de sua ascensão.

PUPIENUS
(Marcvs Clodivs Pupienvs Maximvs)
Co/Imperador com Balbinus- 238 d.C.

Pupieno


Marcus Clodius Pupienus Maximus era de origem humilde, mas teve uma carreira ilustre, servindo como procônsul na Ásia e prefeito urbano.

Senador com grande experiência militar, e após as mortes de Gordianus I e Gordianus II, Pupienus foi, juntamente com Balbinus, eleito imperador pelo temeroso Senado Romano a 22 de Abril de 238 d.C, para a defesa de Roma frente ao vingativo retorno de Maximinus I.

Enquanto Balbinus tomava a seu cargo o controle da administração civil do Império, Pupienus encarregou-se das forças armadas com as quais derrotou Maximinus I.

O reinado conjunto durou noventa e nove dias, durante os quais Gordianus III foi indicado para caesar. Pupienus e Balbinus foram mortos pela guarda pretoriana descontente a 29 de Julho de 238 d.C.

Sucedeu-lhes Gordianus III

21.12.13

Gordianus II Africanus

GORDIANUS II AFRICANUS
(Marcvs Antonivs Gordianvs Sempronianvs Romanvs Africanvs)
Imperador - 159 d.C. a 238 d.C.

Gordiano II


Gordianus nasceu por volta de 192 d.C., e foi cônsul no reinado de Severus Alexander. Tornou-se imperador juntamente com seu pai, Gordianus I, após a rebelião dos proprietários de terras africanas, em 238. Seu reinado durou apenas vinte e um dias: morreu na batalha contra Capelianus, governador da Numídia e partidário de Maximinus I.

De seu nome completo Marcus Antonius Gordianus Sempronianus Romanus, diz-se que Gordiano II era gordo, e que possuia 22 concubinas, das quais tinha vários filhos. Gostava também de coleccionar livros e de escrever. Gordianus II tornou-se Imperador juntamente com o seu pai (Gordianus I), devido à Revolta dos impostos no Norte de África.

Gordianus II possuia os mesmos títulos que seu pai, com a excepção do pontifex maximus. Em 19 de Março de 238 seu pai faz dele Augustus, e pouco tempo depois é enviada uma delegação a Roma, para conquistar apoiantes e matar os de Maximinus. A primeira acção da delegação foi assassinar o Prefeito da Guarda Pretoriana Vitalianus, um leal amigo do tão odiado Maximinus. Assassinado Vitalianus, o Senado confirmou os 2 Gordianus Imperadores. O programa de governo dos 2 Augustos era democrático: acabar com a polícia secreta, dar uma amnistia aos exilados e inimigos de Maximinus e como é óbvio dar um bónus às legiões. No entanto o governo dos Gordianus não haveria de durar, pois Capellianus (Governador da Numídia) era um inimigo fidagal, e talvez por isso mantêve-se leal a Maximinus. Mais do que isso a Numídia era a casa da poderosa III Legião Augusta, a única que existia na zona. Assim foi lançada uma poderosa ofensiva a Cartago. Gordianus II tentou organizar a resistência, construindo um exército, mas acabou por ser derrotado e morto. Os Gordianus reinaram por apenas 22 dias. Sucederam-lhes Balbinus e Pupienus.

5.5.12

Gordianus I Africanus

GORDIANUS I AFRICANUS
(Marcus Antonius Gordianus Sempronianus Romanus)
Imperador - 159 d.C. a 238 d.C.

Gordiano I



Gordianus I nasceu provavelmente em 159 d.C., era o filho de Maecius Marullus e Ulpia Gordiana (embora devemos por em causa o nome da mãe, já que esta foi provavelmente uma forma de Gordianus dizer que a sua mãe era descendente do grande Imperador Trajano).

Torna-se cônsul em 222 aos 64 anos de idade e procônsul da África, no tempo de Severus Alexander, de 237-238 foi Governador da Bretanha Inferior.

Com a idade avançada de 80 anos é apontado governador da Província de Africa por Maximinus I. Este provavelmente pensou e com razão de que Gordianus era inofensivo, caso as circunstâncias não tivessem sido maiores. Em 238, os funcionários de Maximinus estavam a recolher os impostos, pesados e injustos, aos proprietários de terras da Província de Africa, para custear as suas caras campanhas militares, quando em Thysdrus, os proprietários revoltaram-se e mataram os funcionários do Imperador. No entanto eles sabiam que havia apenas uma maneira de escaparem da ira de Roma: incitarem o seu governador à revolta, e declararem-no Imperador. Gordianus estava relutante, mas em 19 de Março de 238 ele aceita, e faz do seu filho co-Augustus. É então enviada uma missão a Roma, que assassina os apoiantes de Maximinus na Guarda Pretoriana. O Senado romano apoiou Gordianus I e votou a condenação da memória de Maximinus I.

Agora no poder, Gordianus I anuncia o que vai fazer: acabar com a rede de informadores, com a polícia secreta, e pagar um bónus ao exército. No entanto o Governador da Numídia-Capellianus - permaneceu leal a Maximinus, e naquela zona a única legião que havia era a 3ª Legião Augusta, que estava na Numídia. Ela avança sobre Cartago, e suas tropas experientes derrotaram com facilidade a milícia fracamente armada comandada por Gordianus II, que foi morto durante a batalha. Após a derrota e a morte do filho, Gordianus I suicidou-se.

Gordianus I governou por 22 dias.

21.11.11

Maximinus I Tracius

MAXIMINUS I TRACIUS
(Caivs Ivlivs Vervs Maximinvs
Imperador - 235 a 238 d.C.

Maximino

Nascido na Trácia por volta de 173 d.C., Caius Julius Verus Maximinus veio de uma humilde família (agricultores), provavelmente de bárbaros. Era um homem boçal e pouco instruído.

Devido a sua estatura gigantesca, sua tremenda força física e sua brutalidade, entrou no exército romano e percorreu uma brilhante carreira militar. Depois de se alistar na cavalaria, tornou-se guarda pessoal do imperador; mais tarde, serviu como tribuno durante o governo de Elagabalus, e foi o principal comandante militar no período de Severus Alexander.

Dirigiu uma legião, sendo depois nomeado Governador da Mesopotâmia. Casou-se com Caecilia Paulina, e foi acusado de matá-la pouco antes de aceder ao trono. Em 235, foi proclamado imperador por suas tropas amotinadas quando realizava a cobrança de impostos para recrutamento em Rhin. Por sua vez, nomeou caesar seu filho Maximus.

Manteve com sucesso sua campanha de dezoito meses contra os povos germânicos, repelindo os ataques bárbaros em Rhin e no Danubio. Moveu a sexta perseguição contra os cristãos. O seu reinado caracterizou-se por um ódio contra a nobreza e o senado.

A sua implacável crueldade contra o povo de Roma e contra todos aqueles que foram acusados de conspirar contra ele, provocou uma resistência contínua. À insurreição de Gordianus I e Gordianus II na África, em 238, sucedeu outra em Roma quando Balbinus e Pupienus foram eleitos co-imperadores pelo Senado. Maximinius que se encontrava em Pannonnia decidiu marchar contra Roma, mas ele e seu filho foram assassinado em 24 de Junho de 238 d.C. por sua própria guarda pretoriana. As cabeças de ambos foram colocadas em postes e ficaram expostas na cidade de Aquiléia.

5.7.11

Milreu



Marius já tinha visitado Abicada (Alvor) e Cerro da Vila (Vilamoura – Quarteira) e estando de novo, em férias, na zona sul de Portugal, lembrou-se que um dia um amigo lhe tinha dito que havia umas ruínas romanas num local chamado Milreu. Visto o mapa pareceu-lhe que esta localidade estava perto de Olhão e daí ter-se dirigido para essa zona. Foi uma aventura. Nem César com as suas legiões deve ter demorado tanto a chegar à Gália como Marius demorou a chegar a Milreu. Informações contraditórias e horas perdidas sem dar com o buraco da agulha. Já sem norte pára perto de uma bomba de gasolina em Olhão ao avistar um sujeito sentado numa cadeirinha na berma da estrada e pergunta-lhe se conhecia Milreu. Pelas perguntas sucessivas verifica Marius que dali não virá nada pois o homem já tinha os ouvidos endurecidos pelo tempo. Passa um outro e a pergunta faz-se, se sabia onde ficava Milreu. O homem refere as ruínas e Marius respira de alívio, até que enfim que alguém conhece o local. Mas eis que ele faz a pergunta ao que estava sentado sobre Milreu e à pergunta a resposta é feita em pergunta:

- Quem foi que morreu?

Tirem-me deste filme!

Mais uma indicação errada e só depois em Faro (nem sei como lá fui parar) é que nos Bombeiros veio a indicação correta. Na localidade Coiro da Burra, vira-se em direção a Estói e aparece Milreu. Mas já estava fechado (fecha das 13 às 14). Um azar nunca vem só!


Milreu

Com uma apresentação de entrada ao mesmo nível da das ruínas de Cardílio o que dá um certo ar de cuidado que o IPPAR tem feito para dar a conhecer estas ruínas (pena não ter tido o mesmo cuidado na Abicada que pode-se dar como perdida para sempre pois está completamente abandonada e já pouco lá resta) esta villa rustica ainda tem muito para ver.

O peristrilo (peristylium) com colunas, ginásio (gynmnasium), vestiários (apodyterium), termas com águas tépidas (tepidarium), quentes (caldarium) e frias (na banheira do frigidarium podem-se ver mosaicos representando peixes).


O edifício religioso é imponente.


Foi aproveitado para igreja cristã a partir do século VI e tal como nas ruínas de ‘Torre de Palma’, existe um baptisfério de forma retangular e também um cemitério com um pequeno mausoléu.

Esta villa sofreu várias melhorias durante séculos e no século XVI foi construída uma casa tipicamente algarvia sobre as ruínas romanas.

ruínas no interior da casa

No pequeno museu, à entrada, pode-se ver os bustos de Agripina Minor (século I d.c.. Filha de Germânico e Agripina Major, foi bisneta do Imperador César Augusto, irmã de Calígula e cunhada de Tibério. Mais tarde tornou-se imperatriz através do seu casamento com Cláudio, que também era seu tio), de uma dama romana que se presume ser familiar de um dos ricos proprietários, do Imperador Adriano (século II d.c.) e o Imperador Galieno (século III d.c.).

Imperador Adriano


Estas ruínas foram classificadas como Monumento Nacional em 1910.

Vídeo e Fotos: Marius70

Mais Informações: IPPAR

(clicar)

Villa - 1

Villa - 2

A Planta da Villa

27.5.11

Severus Alexander

Severus Alexander
(Marcvs Ivlivs Gessivs Alexianvs Bassianvs; Marcvs Avrelivs Severvs Alexander)
Imperador - 222 a 235 d.C.

Alexandre Severo


Nascido por volta de 209 d.C., Severus Alexander era filho de Julia Mamaea e Gessius Marcianus, e neto de Julia Maesa (irmã de Julia Domna, mãe de Caracalla). Como resultado das maquinações de Julia Maesa, foi adotado por seu primo Elagabalus, em 221, como seu filho e herdeiro, e seu nome passou a ser Marcus Aurelius Severus Alexander. Assim como Elagabalus, Alexander era considerado filho bastardo de Caracalla. Tornou-se imperador em 222, quando os soldados se revoltaram e mataram Elagabalus ao descobrirem que ele tentara assassinar seu jovem primo.

Embora fosse somente um menino de 14 anos, quando foi elevado ao trono, o Senado lhe concedeu o título de Pater Patriae (Pai do País), por estarem livres da depravação de seu antecessor, Elagabalus, e também devido a preocupação com as poderosas legiões romanas que estavam no controle.

O reinado de Alexander foi bem menos instável e dissoluto que o de seu antecessor, e no início tudo correu bem. Homem pacífico, de costumes simples e puros, quis ser imitador de Marco Aurélio. Fundou imensas escolas, orientadas pelo sábio jurisconsulto Ulpiano. Religioso tinha no seu oratório os bustos de Orfeu, Abraão e Jesus. Ele removeu algumas das severas leis que discriminavam os cristãos e pensou em montar um templo para a adoração cristã, mas foi convencido pelos sacerdotes a não faze-lo. Ulpianus foi nomeado prefeito pretoriano, mas foi assassinado por volta de 223/224.

Em 225, Alexander casou-se com Barbia Orbiana, mas ela foi exilada em 227, com base na alegada tentativa de revolução de seu pai. Com a queda do império persa e a ascensão dos Sassânidas, sob a liderança de Ardashir, a fronteira do Oriente começou a correr perigo. Em 230, Ardashir I invadiu a Mesopotâmia romana e ameaçou a Síria. As negociações falharam e, em 231, Alexander iniciou uma campanha, obtendo sucesso discreto em 232, ao forçar Ardashir I a se retirar. Agitações no Reno obrigaram Alexander a voltar para Roma, em 233, e ele se dirigiu à fronteira germânica em 234. Em 235 d.C., a acentuada inclinação de Alexander pelas negociações, ao invés das lutas, irritou de tal forma suas tropas que soldados o assassinaram, em Moguntiacum, encerrando assim a Dinastia dos Severus.

A magnífica administração de Alexandre Severo não teve a compreensão do exército que não recebia as benesses que requeria. Depois da sua morte, seguiu-se um período de Anarquia militar e o poder andou pelas mãos de uma série de «Imperadores de Quartel», nada menos que 21, durante 50 anos, até que Maximino subiu ao poder.

28.1.11

Elagabalus

Elagabalus
(Varivs Avitvs Bassianvs Marcvs Avrelivs Antoninvs)
Imperador - 218 a 222 d.C.

Heliogábalo


Também designado Elagabalus, Heliogábalo, nascido em Émeso, na Síria, provavelmente no ano de 205. Foi imperador romano entre 218 e 222. Filho de Julia Soaemias (sobrinha de Julia Domna) e de Sextus Varius Marcelus foi proclamado imperador, em 218 d.C., após o assassinato do imperador Caracalla, e apoiado num astucioso plano de sua mãe Soaemis e da tia-avó Júlia Domma, recebendo a púrpura imperial, com a idade de 14 anos, das tropas orientais que haviam se rebelado contra o governo de Macrinus, que foi derrotado e morto um mês depois, e o proclamaram augustus. A sua entrada na corte imperial deveu-se ao facto de ter sido considerado filho bastardo de Caracalla devido a ser parecido com este imperador.

O nome de Elagabalus deriva do deus-sol sírio-fenicio de Emesa (Síria), El Gebal (Elagabal), este representado em algumas de suas moedas, do qual era sacerdote; ele se tornaria o mais insólito imperador que Roma já tivera. Devoto fanático do culto, trouxe seu deus para Roma – ou seja, trouxe com ele a pedra negra (o deus Baal) de Emesa.

Seu comportamento escandalizou os senadores romanos e os soldados pelos seus vícios e extravagâncias. Homossexual e travesti, nem por isso deixou de casar-se com três mulheres (Julia Paula, Aquilia Severa e Annia Faustina), inclusive com uma virgem vestal. Sob seu governo, os actores, dançarinos, aurigas e atletas atingiam posições de destaque com base em seus excessos sexuais, e nem sua mãe nem sua avó conseguiram controlá-lo. Os soldados ficaram tão repugnados com sua conduta que, por volta de 221, já corriam boatos de que ele seria assassinado.


A sua intenção de impor o seu deus asiático ao panteão de divindades romano foi polémica. Sua avó, Julia Maesa, que contribuíra para sua ascensão ao trono, convenceu Elagabalus a adoptar seu primo, Severus Alexander, como filho e caesar, em 221 d.C.. Mas ele logo ficou com ciúmes do rapaz, muito popular junto às tropas, e tentou mandar matá-lo. Os soldados se revoltaram, e mataram Elagabalus e sua mãe em Março de 222, seus corpos foram arrastados pelas ruas de Roma e jogados no Tiber. O seu reinado foi considerado infame por decisão do Senado.

Sucedeu-lhe Severus Alexander.